quinta-feira, 30 de abril de 2015



O Ator e as Linguagens Audiovisuais

A interpretação do ator nas linguagens audiovisuais é determinada inicialmente pela relação com a câmera.
Nas várias formas de interpretação nas linguagens audiovisuais registradas, são predominantes as exigências da gramática, do meio e do autor do filme.
A atuação minimalista é resultado do reconhecimento de que as máquinas são super órgãos sensoriais que trazem o detalhe.
Além da relação com a câmera, o ator é submetido às distâncias variáveis desta máquina, aos cortes e descontinuidade da linguagem.
A gramática do cinema (a posição da câmera que define os planos e a delimitação do espaço de atuação do ator) é reconhecida pelo ator que cria, a partir dela, técnicas de atuação muito particulares.
Uso do close para representar elementos narrativos e de identificação.
Extra-campo é a figura estilística identificada com o não visto, necessário para criar emoções ambíguas.
Do ponto de vista da percepção, o extra-campo favorece a imaginação, trazendo o invisível, o poder de síntese da linguagem.
O Roteiro é o projeto para se produzir qualquer linguagem. É o primeiro caminho esboçado para se chegar ao filme ou outro formato audiovisual.
Trata-se de um estudo detalhado do que se pretende transformar em imagens e sons articulados para produzir sentido.

O Cinema influenciou o Teatro tanto na forma do texto dramatúrgico e seus autores quanto na forma de atuação e produção de espetáculo.
Influenciou no teatro a mistura do tempo e ação sem precisar uma sequência lógica, podendo ser trabalhada mais a expressão interior dos personagens através de uma ação interna intensa, sem uma ação externa exageradamente grande e expressionista.
No decorrer dos anos a verdade cênica foi cada vez mais estudada e posta em prática, o que o cinema tem facilidade de captar até de uma forma minimalista, o que no teatro resultou numa maior proximidade física e mental do espectador com o ator em cena.
Por mais que para a produção de um filme possa haver maiores dificuldades especialmente em relação à captação de uma verba auxiliar, o teatro e o cinema conseguem tocar o âmago das pessoas que os assistem, tendo o poder de provocar mudanças tanto positivas, quanto negativas.
Tem o poder de provocar uma mobilização na sua plateia e nos seus espectadores tanto agressiva quanto sutil.
Cabe a nós não perdermos tempo fazendo uma produção sem conteúdo cultural algum, fazendo valer a pena cada investimento financeiro conquistado para que haja próximos trabalhos.
O que mais vemos no Brasil são obras que receberam dinheiro investido porém  o conteúdo é tão drasticamente ruim, que não conseguem captar investimentos para trabalhos futuros mais.

Pense nisso!

Nenhum comentário:

Postar um comentário