quinta-feira, 3 de março de 2016

Teatro: Uma arte milenar e grandiosa - quem dá apoio e quem não dá.


Um dia uma pessoa que dizia-se dar aula há muitos anos com orgulho ( a pessoa nem era formada na área, como ela dava essas aulas? Imagine.), me disse:

"Teatro é esse de fundo de quintal, de garagem, não é esse de apresentar nesses teatros grandes não".

Agora, imagine se não me deu um choque ouvir essa besteira? Esta  pessoa estava com ciúmes da diretora da área de dança da cidade que ganhara R$1.000.000,00 (um milhão) para produzir sua apresentação e ainda ganhava isso todos os anos, e o uso do teatro de Paulínia.

Enfim, nós temos que ver, observar atentamente, quais são os povos que estimulam e resguardam o Teatro como ele deve ser considerado: Uma arte milenar e grandiosa.

Por que um grande número de pessoas querem ir para os Estados Unidos atuar e serem "bem de vida" lá? Porque lá é valorizado! A interpretação, a história da arte, lá são valorizadas, como em muitos países da Europa, e na Austrália. Ou alguém tem uma "dózinha" dos atores que passam no Tapete Vermelho?

E são atores excelentes que fazem excelentes filmes. Já deu uma olhada na moral dos filmes do Brasil entre os brasileiros e no exterior? Ou dos atores brasileiros mesmo. para isso veja Alice Braga, ela consegue atuar nos EUA, é uma excelente atriz, sabe inglês e mesmo assim, o que consegue são participações.

Nos EUA como nos países que valorizam teatro, os cursos de teatro, são integrais. As pessoas têm aula de canto lírico, aprendem a história do teatro do começo ao contemporâneo. E no término de curso, fazem uma grande produção de teatro, com figurinos e cenários grandes, uns cantam de forma excelente e muito alto a ponto de realmente suas vozes abraçarem toda a platéia.

Aqui no Brasil você nem ouve a voz dos atores em cena direito, uns são perdidos, outros tão convencidos de sua atuação que se perdem e não demonstram sentimento nenhum em cena a não ser esse. Outros grupos de teatro se perdem demonstrando somente promiscuidade em cena como se isso fosse "revolucionário", ou uma agressividade nível "aguenta quem tem estômago".  E isso foi "revolucionário" nos anos 70. Não agora. Estão todos atrasados tanto em conceitos quanto em história. Acham que Brecht é super atual quando as mudanças na indústria já aconteceram e ainda se prendem no passado e o mais atual que chegam é ao ano de 1950.

Então, quem quer ser artista primeiro: Não tenha preguiça. Realmente se forme na área. Uma outra pessoa que ganha dinheiro com a prefeitura mas não tem nenhuma formação na área (pra variar o Brasil inteiro está impregnado com essas pessoas) me disse: "Eu não tenho nenhum curso de teatro mas eu AMO teatro."

Sério? O que você ama, você ESTUDA!

Ou eu posso dizer: eu amo medicina mas nunca estudei. Vou cortar todo mundo mesmo assim. Aí me dizem: mas teatro é diferente. Não é! NÃO É!  Então estudem muito e sejam formados em suas respectivas áreas pelo amor de Deus!

Na sua formação você aprenderá não só sobre sua área mas também sobre psicologia, sociologia, filosofia, fundamentos da educação e várias práticas sobre como ensinar os outros.
Agora, as pessoas não lêem:
Não sabem escrever T-e-a-t-r-o, muito menos Stanislavski que é o grande nome do teatro contemporâneo, aliás a pessoa pelo qual o Teatro existe como é hoje. Quem não lê não pensa, não se comunica e o pior, o ego vai láaaaaaa em cima!
O peso do cérebro de uma pessoa analfabeta é de 0,5kg. O de uma pessoa assídua em leitura é de 2kg. O que chamamos de intelectuais.

Segundo: Não sejam presunçosos. O teatro no Brasil é esculachado. As pessoas andam como galinhas perdidas, escravos do seu corpo biológico, pensam do estômago para baixo. Como que uma pessoa que não é intelectual vai produzir algo de engrandecedor?
 Te transportar pela arte, pela alta cultura, isso sim, é "O" que falta no Brasil. Analisem nossas músicas populares desde sempre. Sempre aquela tocadinha pobre e letras só viajadas. Coisa que a máfia do dendê controla é essa cultura pobre nossa que não evolui desde 1968 e que dita que nada supera a "Tropicália".

Terceiro: Saia do Brasil para estudar. Te dará uma grande perspectiva sobre o que é teatro de verdade.

Aí você pensa "Ai, mas não tenho dinheiro". E quem tem hoje em dia? Então trabalhe!! Rale bastante e consiga o dinheiro. O brasileiro tem tanta preguiça e espera que "o frango caia do céu no seu colo", espera que Deus dê de graça sem esforço nenhum.

Outra grande diferença de nós com os países já evoluídos: nos países evoluídos as pessoas sabem que tem que trabalhar para conquistarem o que querem. Temos um histórico horroroso do tempo colonial que as pessoas tinham servos que pegavam as sujeiras do chão porque nem abaixar elas faziam. O trabalho virou algo vergonhoso porque atualmente, as pessoas acham que os ricos não trabalham. Alguns podem até existir assim mas não por muito tempo! Quem não trabalha sempre vai perder tudo o que tem.
Ricos estão ricos, porque trabalharam muito mais que os outros, estudaram muito mais que os outros e renunciaram muito mais que as outras pessoas.

Imagine assim: Uma pessoa nasceu em uma família pobre, vê que sua família não pode oferecer muito além de uma casa e seu alimento e vestimentas ( o que já é muito em relação à países na África ou até mesmo no nosso nordeste).
Aí o que ela pensa: 1 - Vou trabalhar e estudar de qualquer jeito e bastante, com isso consigo dinheiro para meus estudos e vou estudar e trabalhar até completar meus estudos e conseguir empregos melhores.

ou

2 - Vou parir o quanto de filhos conseguir nessa vida miserável mesmo.

Alguma dúvida do número 2 ser mais escolhido que o número 1?







Nenhum comentário:

Postar um comentário